terça-feira, 13 de dezembro de 2011

NORMA STITZ E CRÍTICA LITERÁRIA, JMS, SILVIA BEYRUTE, OSCAR WILDE, LARANJA MECÂNICA ou COMO UNIR O MUNDO DO CORPO AO MUNDO DO ESPÍRITO



Nunca conheci nenhuma pessoa tão sugestiva como o filme “Laranja Mecânica” (a primeira parte) ou com tanto sentido de humor quanto as peças de teatro do Oscar Wilde. Nenhuma das obras referidas, porém, tem um peito tão humanitário ou sorridente quanto o da senhora que resgato ali de um blog na lista da direita. Já lá vamos.

Queria dizer-vos que é possível unir o mundo do corpo ao mundo do espírito (afinal tenho fé). Vou dar o exemplo, aproveitando uma crítica do José Mário Silva ao livro de poesia de uma senhora chamada Silvia Beyrute.

Diz o crítico acerca dos poemas de Beyrute:
- É um livro “desigual”.
Digo eu:
- Por acaso esta também, a da esquerda é maior que a da direita.

Diz o crítico acerca do livro da Silvia:
- É um livro “a raiar o pretensioso”.
Digo eu:
- Até está no Guinness e pretende continuar.

Diz o crítico sobre o livro da poeta:
- Os textos perdem efeito na “passagem para o papel”.
Digo eu:
- E esta não perderá nada na passagem para o écran?



Enfim, o mundo do corpo e o mundo do espírito não estão assim tão separados, nós às vezes é que somos demasiado preguiçosos mas isso é um grande defeito, e as duas artistas se se conhecessem até haviam de gostar de ir às compras juntas e assim.


1 comentário:

Asno de Ouro disse...

Frescor. Ao falante >> http://asinusauri.blogspot.com/